Conteúdo

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Prosa em fúria poética









*Publicado originalmente no Balaio de Notícias. 


Acompanho há algum tempo a produção de Márcia Barbieri. Suas publicações em sites, revistas literárias e blogs. Desde o começo, chamou-me a atenção o caráter estilístico de seu texto. Uma escritora com voz reconhecível, fiel a si mesma na composição das frases, com escolhas vocabulares e saltos poéticos que se repetem no ponto de vista da técnica, mas sempre gerando novas imagens e experiências estéticas, lugares ousados e incomuns.
Em Mosaico de Rancores, o estilo está lá, mais barbieriano do que nunca: a prosa poética forte, densa e peculiar. Agora, porém, os capítulos, que poderiam, pela força e o acabamento linguístico que têm, ser vistos como peças independentes, precisam funcionar em prol de um todo. Estão em busca de um projeto maior: a abrangência e a coesão de um romance.
Interessante notar como o texto de Márcia, agora imerso na estrutura do romance, dialoga com os aspectos mais comuns dessa narrativa, reiventado-os a seu modo. Mosaico de rancores não abre mão, por exemplo, das figuras de referência do romance: os personagens. E mesmo que a linguagem às vezes pareça um fim em si mesmo, ela também caracteriza as pessoas do texto e vai expandindo seus conflitos. Como em todo bom romance, não sabemos exatamente para onde a leitura nos leva, mas há um mosaico sendo composto, capítulo a capítulo.

Subjetividade exposta
Normalmente, em boa parte dos romances contemporâneos, o enredo é a parte mais visível. As ações dos personagens estão claras, a história se desenrola e, aos poucos, os traços mais subjetivos dos personagens vão sendo colocados, de maneira sutil ou direta, a depender do autor. Mosaico de Rancores inverte essa lógica.
O foco está, desde o início, no universo subjetivo da estilista Maria Luiza, ou, simplesmente, Malu. O texto está bem próximo da personagem, no centro de uma consciência lírica e atormentada. O tempo ali parece quase suspenso, cristalizado numa linguagem na qual Malu, a voz narradora, funde lembranças, traumas, desejos e obsessões. O enredo é justamente o que vai se desenhando aos poucos, sempre pelas frestas da cabeça de Malu. Os acontecimentos alimentam o seu grande conflito interior: o ciúme que sente pelo marido Lúcio.
Na narração de Malu, algumas palavras vão e voltam, e servem como chaves para abrir as portas de sua percepção de mundo. Os “vermes”, a “carne morta”, “as moscas”, “flores e frutas aprodrecidas” e um rio verde, no quintal da infância, transcorrendo nos finais de cada capítulo. Como no simbolismo, algumas imagens se repetem, especialmente as imagens de morte, sempre presentes. Mas, se no caso de poetas como Cruz e Souza a morte representa a libertação, a emancipação de uma condição de sofrimento, no texto de Márcia ela aparece quase sempre como uma barreira para o desejo. Uma pedra que bate contra uma consciência que se projeta para o infinito.
Nada diverso, nem fora, nem dentro de mim. Orgasmos nascem e morrem entre os meus dedos. - pág. 44.
Meu corpo são cavalos arredios e sem freios, são ladeiras esperando precipícios, suicidas à beira do abismo. Meu ventre inchado ferve e eu espero lavas. – pág. 59.
Ou, ainda:
A morte começa nos pés. Eu sei que sairei e metade da casa irá junto comigo, me entortando as costelas. Um caracol velho e sem asas.
O ciúme parece brotar da força do desejo de Malu. A vontade de retornar ao “rio verde do quintal”, uma imagem recorrente da infância e da pureza. O amor, para ela, surge como o maior de todos os desejos, algo que ela busca com desespero embora sinta como inalcançável:
O amor é assim, arrumação de camas, ruas sem saída, novelos de uma Ariadne perdida no labirinto. Não há barcas para atravessar o rio verde que invade meu quarto. – pág. 50.
O desejo pelo que Malu entende como amor acaba alimentando, na personagem, o monstro do ciúme. A todo tempo ela imagina Lúcio, o marido fotógrafo, com outras mulheres. Remói detalhes e indícios de traições que para ela são evidentes e escancarados. Aqui reside o grande conflito interno de Malu. Ela sabe que a paixão por Lúcio a está cegando. Parte de si tem consciência da cegueira, mas quer continuar investigando a própria caverna:
Escurece depressa. Apalpo as costelas e ainda percebo a fúria de Deus no meu corpo. A costela rejeitada. A cegueira não me poupou de enxergar minúcias. – pág. 73.
Ou, ainda:
Afundo no meu particular mito da caverna – cegueiras. O ciúme é inútil como águas-vivas sem vítimas. 

A abrangência do mosaico
O romance navega no rio interior e furioso de um personagem que deseja completar-se no outro, unir-se a ele a qualquer custo. O mergulho de Malu se torna mais intenso na ausência de Lúcio, que viaja para participar de uma exposição. Ajuda a compor a riqueza da narradora uma intertextualidade constante com a pintura, o cinema, as artes plásticas, as mitologias grega e cristã.
Na parte II do livro, “Clareira”, Lúcio assume a narrativa, mostrando seu ponto de vista a respeito do relacionamento. Por ter uma visão menos subjetiva das coisas, Lúcio amplia o nosso conhecimento sobre Malu e os conflitos do casal.
O resultado é um romance bem-acabado e com uma harmonia incrível entre suas partes. Após a leitura, me lembrei, imediatamente, de um trecho do próprio livro, na página 38, que funciona também como metalinguagem, um exercício de reflexão da autora sobre o próprio texto:
Recolho como louca os retalhos da colcha que estou terminando. Todas as cores num só pedaço de tecido. Elenir sempre diz não entender como sou capaz de colocar essas cores em tão perfeita harmonia! Nem eu. Às vezes, imagino que são infinitos tons de cinza e, quando vejo, está pronto. Isso me comove. 
A mim também.

Nenhum comentário: